Logo de l'OEP
Logo de l'OEP

Interações plurilingues: descrições, dinâmicas e aprendizagens (Chamada/Call for papers)


Ultima actualizare: 6 Feb 2016

Chamada/Call for papers
Interações plurilingues: descrições, dinâmicas e aprendizagens
Plurilingual interactions: descriptions, dynamics and learning outcomes
Prazo de submissão/Submission deadline: 31.05.2016/05.31.2016
Coordenação/Coordination
Maria Helena de ARAÚJO E SÁ - Această adresă de email este protejată contra spambots. Trebuie să activați JavaScript pentru a o vedea.
Universidade de Aveiro (Portugal)
Sílvia MELO-PFEIFER - Această adresă de email este protejată contra spambots. Trebuie să activați JavaScript pentru a o vedea.
Universität Hamburg (Germany)
Versão Portuguesa/Portuguese Version
Vários autores têm vindo a sublinhar a crescente internacionalização da comunicação (Blommaert, 2010) e a necessidade de relativizar a orientação monolingue quer da interação, quer dos estudos que sobre ela se debruçam (Canagarajah, 2013; García & Li Wei, 2014; May, 2014; Pennycook, 2010). Esta tentativa de reorientação tem vindo a ser feita nomeadamente através da análise da interação plurilingue em línguas românicas em plataformas de aprendizagem on-line (Araújo e Sá, De Carlo & Melo-Pfeifer, 2010; Melo-Pfeifer, 2014), em situações de trabalho em equipas internacionais (Berthoud, Grin & Lüdi, 2013) e da interação em aula de Línguas, em que vários códigos “rompem” o contrato didático tipicamente assumido como monolingue e monoglóssico (Blackledge & Creese, 2014; Bono & Melo-Pfeifer, 2011; García & Li Wei, 2014).

Este número toma as “interações plurilingues” como objeto de estudo multidisciplinar e pretende, de entre outros aspetos:

Identificar contextos e modalidade de comunicação plurilingue, em contextos escolares e extra-escolares e de comunicação quotidiana, mediatizados ou não por computador.
Descrever, do ponto de vista linguístico, sociolinguístico, pragmático, sociocultural, intercultural e/ou didático, o funcionamento da interação plurilingue, isto é, de interação com recurso a pelo menos duas línguas, dialetos ou variedades diferentes: que conceitos podem ser mobilizados para descrever estas interações? Que cruzamentes disciplinares são produtivos para as descrever?
Compreender as dinâmicas interacionais da comunicação plurilingue: que mecanismos de co-negociação do sentido são utilizados pelos interlocutores? Como se negoceiam e gerem as línguas de comunicação? Que problemas e que oportunidades se podem identificar no desenvolvimento da comunicação plurilingue?
Identificar o potencial de aprendizagem patente nas interações plurilingues analisadas: que aprendizagens plurilingues e interculturais ocorrem em situações de comunicação plurilingue? Qual o impacto da participação nessas interações no “savoir-être” (atitudes, representações, motivações, ...) e no “savoir-faire” (estratégias de comunicação, estratégias de aprendizagem, ...) dos participantes? Qual o impacto dessas interações na consciência (meta)linguística e (meta)comunicativa dos sujeitos?
Discutir modalidades de integração das interações plurilingues em cenários de ensino-aprendizagem de línguas, estrangeiras ou maternas: como se podem inserir atividades de comunicação plurilingue na sala de aula? Como integrá-las nos manuais escolares? Como proceder à avaliação desta competência de comunicação plurilingue?

English Version/Versão em Inglês
Several authors have pointed to the increasing internationalization of communication (Blommaert, 2010) as well as the need to downplay the monolingual orientation of that interaction, and the studies that look at it (Canagarajah, 2013; García & Li Wei, 2014; May, 2014; Pennycook, 2010). This attempt at a reorientation has come about namely in the analysis of plurilingual interaction in romance languages on online learning platforms (Araújo e Sá, De Carlo & Melo-Pfeifer, 2010; Melo-Pfeifer, 2014), in work situations with international teams (Berthoud, Grin & Lüdi, 2013) and in Language classroom interactions, where various codes “break” the classroom contract typically assumed to be monolingual and monoglossic (Blackledge & Creese, 2014; Bono & Melo-Pfeifer, 2011; García & Li Wei, 2014).

This number focuses on “plurilingual interactions” as subject of multidisciplinary analysis and aims, among other aspects, at:

Identifying plurilingual contexts and modes of communication, in school and out-of-school contexts and everyday communication, with or without IT mediums.
Describing, from a linguistic, sociolinguistic, pragmatic, sociocultural, intercultural and/or pedagogic point of view, how plurilingual interaction works, i.e., interaction with recourse to at least two different languages, dialects or varieties: what concepts can be brought forward to describe these interactions? Which transdisciplinary crossings are productive in describing them?
Understanding the interactional dynamics of plurilingual communication: what mechanisms of meaning co-negotiation are used by speakers? How are communication languages negotiated and managed? What problems and what opportunities can we see in the development of plurilingual communication?
Identifying the learning potential in the plurilingual interactions analyzed: what plurilingual and intercultural learning occurs in plurilingual communicative situations? How does participating in this kind of interaction impact participants’ “savoir-être” (attitudes, representations, motivations, etc.) and “savoir-faire” (communicative strategies, learning strategies, etc.)? How does it impact subjects’ (meta)linguistic and (meta)communicative awareness?
Discussing modes of integrating plurilingual interactions in language, foreign or mother tongue, learning and teaching settings: how can plurilingual communicative activities be included in the language classroom? How can they be integrated in schoolbooks? How could plurilingual communicative competence be assessed?
More